segunda-feira, 8 de março de 2010

Sangue, vísceras e cartilagem

















Não tenho gosto refinado
Das coisas suaves e amenas
Com toques e pitadas pequenas
De absoluta futilidade

Tenho, antes, sabor intenso
E um gosto quase depravado
Imoral, chulo,
Violento e desumanizado

Tenho gosto pelas entranhas,
por coisas estranhas...
Sangue, vísceras e cartilagem
Meu reino por tua língua!
Tua língua em minha malandragem

Tenho gosto pelo teu gosto
ácido, doce e salgado
Tenho o rosto sobre teu rosto
teu sorriso, teu semblante cansado

Desaba sobre mim
Inteiro, franco e amado
Expõe ao mundo
Conta à vida
Avisa a todos
Que não se nega o meu chamado

5 comentários:

  1. Feliz aniversário moça bonita.

    Beijos mineiros,

    Ramon Fonseca

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. No gosto
    exposto
    exponho
    enfadonho
    meu feitiche
    do futil ao violento
    do suave ao carnal
    me inspiro e tento
    ser mais viceral.

    Tem retroinspiração
    retrô piração
    re inspiração
    inspiração
    ou só piração
    num belo ou feio
    ou simplesmente existente
    Jardim Improvável
    numa luz lateral

    ResponderExcluir
  4. Muito bom este! Parabéns pelo blog! Ah, e visite o meu... também tenho andado atrás de versos e imagens que me digam e digam de mim algo mais. Abs! www.daniela-versieux.blogspot.com

    ResponderExcluir